Posts Tagged ‘Spock’

Comemore os filmes de Jornada nas Estrelas com estas belíssimas imagens.

maio 8, 2013

Daqui a pouco estréia nos cinemas do mundo todo a nova empreitada cinematográfica de Jornada nas Estrelas sob o comando do capitão J. J. Abrams. Enquanto o roteiro deste novo filme ainda permanece um mistério, lembramos da época em que a tripulação original da USS Enterprise brilhava na telona em filmes que não apenas deram continuidade a série original, mas construíram seus próprios mitos carregados de momentos marcantes.

Um trekkie apaixonado pelos filmes originais é o artista Matt Fergunson, que bolou 6 posters que homenageiam as 6 películas estreladas por William Shatner, Leonard Nimoy, DeForest Kelley, Nichelle Nichols, George Takey, James Doohan e Michael Koening. Se você é um fã dessa fase vai querer imprimir e colar na parede, e se você é um neófito vai querer baixar para ver.

Confiram abaixo:183068_475289029206763_1787361720_n 485438_475289035873429_1776862899_n 11762_475289039206762_1682347520_n 935576_475289059206760_1635468907_n 315967_475289079206758_2130403193_n 931232_475289069206759_392213600_n

Os 10 melhores episódios de Jornada nas Estrelas de todos os tempos!

maio 13, 2011

Olá meus caros leitores!

Hoje temos uma matéria especial que foi escrita pelo jornalista charles James Anders para o site io9, um site gringo muito bacana sobre ficção científica e a nossa vontade sobre-humana de tentar fazer com que ela deixe de ser ficção. Recomendo muito. O site encomendou uma lista com os 10 melhores episódios de Jornada nas Estrelas, de todas as séries! Com certeza um trabalho nada fácil.

Para quem está chegando agora, nós aqui do blog da Kingdom e, partircularmente, esse que vos escreve, temos uma verdadeira adoração pelas idéias discutidas nessa série de TV e por seus personagens e conceitos. É o mais próximo de religião que eu posso ter (e ainda assim sem os comprometimentos, exclusões, preconceitos e estreitezas que uma religião pode ter… pensando bem, é algo melhor que uma religião) inspirando pensadores e pessoas como eu e você a raciocinar a natureza humana de uma maneira nova.

E abaixo segue a lista de episódios do site que foram selecionados pelas expansividades de suas idéias e seu caráter atemporal. Lógico que vários de seus episódios favoritos estarão fora desta lista, mas, de acordo com o autor: “estes são os episódios que eu levo para onde que quer que eu vá.” Faça sua lista e coloque nos comentários!!

10 – Universo Espelho (Mirror Mirror) : Ficamos na dúvida entre este episódio e A Semente do Espaço (Space Seed), o episódio em que é introduzido Khan Noonien Singh. Ambos são ótimos episódios, mas Space Seed deve muito de sua fama ao brilhante Jornada Nas Estrelas II: A Ira de Khan. Space seed também é um dos muitos episódios onde “maníacos e fascistas tentam dominar a Enterprise” De fato, um grande padrão no Jornada original é ter o Kirk encarando um outro homem que desafia sua autoridade: as vezes o próprio Kirk duplicado, as vezes alguém que partilha das mesmas habilidades. Mas o episódio de realidade alternativa “Universo Espelho”, é o único episódio em que Kirk se vê encarando uma versão bárbara de si mesmo e ainda ter que impersonar seu dublê. Como Spock explica no final, Kirk é um homem civilizado mascarado de bárbaro. Este episódio toca direto em dois pontos chaves discutidos em Star Trek: Liderança e a natureza da civilidade.

9 – O Vazio (The Void): E falando sobre a natureza da civilidade… Este episódio realmente mostra do que Voyager era capaz, e que ela era uma série de Jornada nas Estrelas e não mais uma Space Opera genérica. A Voyager fica presa em um bolsão de espaço que absorve espaçonaves e é quase impossível de escapar. A única maneira de sobreviver é predando outras naves que estão presas no fenômeno. A solitária nave da federação viajando pelo quadrante Delta se sente  isolada e tensa de uma maneira pouco vista em outros episódios. A tripulação perde mantimentos e equipamentos para os ataques piratas, o suficiente para considerar usar da pirataria para sobreviver. Mas a Capitã Janeway, por outro lado, consegue convencer naves o suficiente a formar uma aliança em que todos podem se beneficiar e finalmente escapar do fenômeno. Este episódio é um dos mais inspiradores e mais competentes em demonstrar o famoso otimismo de Jornada nas Estrelas.

8 – Luz Interior (Inner Light): Capitão Picard é atingido por um raio vindo de uma sonda e é forçado a vivenciar toda a vida de um homem em um planeta moribundo como uma maneira dos habitantes de um planeta já morto de continuar suas existências. Houveram muitos episódios da Nova Geração que exploravam o significado de existência e o valor de uma vida individual de uma maneira suficientemente sutil –  mas este é indiscutivelmente o melhor. Patrick Stewart está soberbo tanto como Picard como o homem que eles se torna – Kamin – ao ponto em que seu retorno a vida de Picard se tornar dessoante –  e algo nele não é mais a mesma pessoa do começo do episódio.

7 – In The Pale Moon Light (Sob a pálida luz do luar): Quando lembramos de Deep Space Nine, geralmente lembramos por duas razões: Seu drama brutal de tempos de guerra e a maneira visceral que que é mostrado o lado negro da Federação. E este episódio é um dos que melhor se misturam estes dois temas. Nele, Benjamin Sisko descobre o quão longe ele pode ir para convencer os Romulanos a se juntar a Federação na luta contra os Domínions. Como quase todos estes episódios desta lista, este mostra um excelente estudo de personagem, mostrando como Sisko arrisca seu idealismo em troca de uma chance de vitória (consideramos incluir “O cerco de AR-558” devido a mostrar mais literalmente o custo da guerra). Também é um episódio tenso a cada minuto até o plano de Garak se desdobrar de maneira supreendente.

6- Problemas com os Pingos (Trouble with Tribbles) – Difícil de acreditar que um episódio onde criaturinhas peludas infestam a Enterprise seja um dos mais adorados, gerando duas sequencias e referenciado inúmeras vezes – até você assistir o episódio. Não é apenas um dos mais engraçados episódios de Jornada, como um dos mais espertos. Kirk enfrenta dois desafios: Uma infestação de pingos e um plano dos Klingons de sabotar as relações entre um planeta chave para a federação. E a solução para ambos os problemas se articula muito bem. Também, este é um dos melhores episódios do tipo “a Federação tem um problema com os Klingons”  em que Kirk tem que bancar o bonzinho com estes bastardos desalmados. E nesse contexto, a irritação de Kirk com os pingos é apenas um peludo e ronronante símbolo do desafio que é almejar a diplomacia entre pessoas que lhe querem morto.

5 – Darmok (Darmok): Capitão Picard fica aprisionado em um planeta com um capitão alienígena que apenas se comunica fazendo alusões a sagas épicas do passado e textos religiosos, e eles tem que aprender a se comunicar antes que a feroz forma de vida nativa os elimine. Parece um jeito um tanto extremo de abordar a educação de alguém em sua cultura, mas é preciso tomar medidas um tanto extremas quando sua lingua é tão estranha que quebra o tradutor universal. E deve-se congratular este episódio por mostrar uma cultura totalmente alienígena cuja todas as suas maneiras de olhar o mundo são absolutamente diversas da sua. E o episódio ainda sugere que a raiz da verdadeira nobreza está sempre na busca de entender uns aos outros e que esse entendimento mútuo é algo que vale o sacrifício de uma vida.

4 – Cidade a Beira da Eternidade (City on the edge of forever): A melhor história de viagem no tempo de Jornada também é, sem dúvida, o mais romântico ao fazer Kirk se apaixonar por uma mulher que deve morrer para que a história seja concertada. E foi uma estratégia corajosa mostrar o interesse romantico de Kirk como uma pacifista no início da segunda guerra mundial – ainda uma memória fresca na cabeça das pessoas na época. Mas se Edith Keeler sobreviver para liderar a resistência contra a guerra, o relativo futuro paradisíaco da Federação nunca existirá. Raramente  as escolhas Jornada nas Estrelas são tão cruéis. E nós vemos Spock de gorro de marinheiro.

3 – O Visitante (The Visitor): Outro belo estudo de personagem – Jake Sisko perde seu pai em um acidente no reator, mas um “fantasma” de seu pai o persegue por toda a vida até sua velhice. Exceto que não é um fantasma, mas um fenômeno subspacial que está de alguma forma ligado a Jake. E Jake basicamente joga sua vida fora na tentativa de resgatar seu pai, sem sucesso. É uma grande metáfora para o que é ser tão consumido pela dor de uma perda que não se consegue seguir em frente. E um episódio profundamente tocante.

2 – O Melhor de Dois Mundos Parte IeII (Best of Both Worlds part I e II): Como falamos anteriormente, muitos dos melhores episódios da Nova Geração envolvem comunicação e atingir o entendimento com outras culturas – Mas o que acontece quando você encontra uma civilização com a qual não há entendimentos para ser atingido e é muito mais poderosa do que a sua e não está interessada em entendimento mútuo? A resposta para essa pergunta não só é um dos episódios mais arrepiantes de Jornada nas Estrelas, com o melhor ápice de roteiro da série, como também é o maior desafio a visão de Jornada nas Estrelas. No final, a tripulação da Enterprise sobrevive enfrentando riscos insanos – mas também conseguindo entender os Borgs – apesar das melhores tentativas de se manterem um mistério.

1 – O Balanço do Terror (The Balance of Terror): É uma espécie de Das Boot (filme alemão que no Brasil se chama “O Barco – Inferno no mar) em uma espaçonave, mas também é mais do que isso. Este episódio apresenta os Romulanos, os outros antagonistas da série clássica, e força Kirk a confronta-los no profundo do espaço. Kirk é obrigado a usar toda sua estratégia e sua astúcia e ainda assim, quase perdeu. E pela primeira vez a tripulação da Enterprise vê o rosto de um romulano apenas para notar que é igual a de seu companheiro vulcano – Sr. Spock. Por que os Vulcanos são basicamente uma versão mais civilizada dos Romulanos. Enquanto a tripulação da nave luta contra sua própria xenofobia, vê-mos que o capitão Romulano é honrado a sua maneira. Como a maioria dos melhores episódios de Jornada nas Estrelas, este episódio nos obriga e entender o “outro”, enquanto demostra o preço da guerra.

Oh, e para os fãs de Star Trek: Enterprise: Passamos bastante tempo tentando pensar em um episódio de Enterprise bom os suficiente para tirar a posicão de algum episódio destes citados, em nome do equilíbrio e da justeza desta lista e tal. Mas depois de mergulhar nos guias de episódios e revivendo os melhores momentos do programa, simplesmente não achamos um episódio que faria juz a estas outras onze horas de televisão. Sem desrespeito ao capitão Archer e sua tripulação.

Matéria: Charles Jane Anders

Tradução, adaptação e erros de português: Lima