Posts Tagged ‘DC comics’

Notícias quentes do Reino dos Quadrinhos! 02/05

maio 2, 2012

– Scott Lobdell assume mais um título da DC: Superman! O escritor recém-desenterrado-pela-DC Scott Lobdell, conhecido pelo público brasileiro como autor da saga Era do Apocalipse e seus roteiros novelescos em X-men nos anos 90, é o novo escritor da revista Superman substituíndo Dan Jurgens e Keith Giffen, que por sua vez entraram no lugar de George Perez. Com Superman, Lobdel é responsável por quatro títulos da editora: Superboy, Red Hood and the Outlaws e Teen Titans. A dança das cadeiras não para.

– Todd McFarlane está oficialmente livre de suas dívidas! Todd McFarlane estava em apuros. Sua empresa de brinquedos estava falindo, seu estúdio na editora Image só conseguia manter o título Spawn e junto as dívidas se acumulavam acertos jurídicos resultantes de brigas legais entre McFarlane e Neil Gaiman. Mas, na contra-mão do mercado, o criador de Spawn e suas empresas estão livres do perigo. A empresa saiu da bancarrota e quitou suas dívidas com o escritor de Sandman. O acerto? Bem, pelo direito de uso dos persoagens Angela, Cogliostro, Medieval Spawn e o uso do nome de Gaiman de forma promocional em seus títulos,Todd McFarlene pagou mais de um milhão de reais!! Parte desse montante foi usado para pagar as esquipes de advogados de ambas as partes, mas mesmo assim a quantia é MUITO significante. E agora, será que sai o Miracleman?

– Halo terá uma websérie em live action! Já tem um tempinho que a Microsoft quer emplacar um live action de Halo. Agora, com a proximidade do laçamento de Halo 4, a empresa encomendou uma série 5 curtas para web, cada um durando 15 minutos. A série se chamará foward into dawn e cotará a história de um jovem cadet da UNSC.  Confira a primeira imagem de divulgação abaixo:

Anúncios

Notícias Quentes do Reino dos Quadrinhos!

abril 19, 2012

DC comemora 1 ano de New 52 com números #0! Em setembro o novo Universo DC comemora 1 ano de vida e neste mês de aniversário todas as edições mensais terão o número zero e contarão histórias passadas antes de suas aparições re-formuladas. Uma oportunidade pra esclarecer momentos misteriosos (mal-formulados) dos personagens e concertar os erros ocorridos na transição para o novo universo. O site BleedingColl ainda sugere que existem artistas supresa envolvidos na comemoração. Em outubro a numeração retorna a partir do # 13. E a DC continua seguindo a cartilha da Image anos 90.

O escritor Chris Roberson sai da DC! Eeeee falando da DC e sua política de tratar criadores como chorume, o escritor de I Zombie – série da Vertigo em parceria com o artista Mike Allred –  e substituto do escritor J. Michael “mau-caráter” Strazinsky no arco Grounded do Super-homem e as mini-séries da Cinderella em Fábulas, anúnciou que agora que I Zombie foi cancelado ele não pretende voltar a trabalhar com a editora. Seus motivos: A maneira desrespeitosa que a editora trata seus criadores agravado pel0 recente anúncio da série Before Watchmen e a vitória atual na justiça sobre os direitos do Homem de Aço.

 

 

DC UNIVERSE ONLINE FREE TO PLAY

novembro 14, 2011

 

DC Universe Online é um game no qual os heróis dos quadrinhos e desenhos animados invadem a tela do seu computador. Nele, o gamer pode criar o seu próprio personagem e seguir os ensinamentos de um dos famosos combatentes do crime ou dos malfeitores mais inescrupulosos da história.

De acordo com a desenvolvedora, este jogo conta com aspectos visuais e de jogabilidade nunca vistos antes entre os games multiplayer online. Agora, o título virou DC Universe Online Free to Play, o que significa que ele é gratuito para jogar. Sem dúvida, ele é pioneiro no seu segmento e proporciona que o jogador sinta os fantásticos poderes dos super-heróis em suas mãos.

Prepare seus músculos e habilidades para encarar aventuras repletas de ação, enfrentando os vilões ou mocinhos mais poderosos do universo fictício. A próxima lenda dos quadrinhos pode ser você!

A pancadaria rola solta!

O surgimento de um herói

Em DC Universe Online Free to Play, você controla todos os golpes desferidos pelo seu personagem e conta com um motor de física de última geração, o qual permite que objetos dos cenários possam ser utilizados como armas.

Assim, pedaços de madeira, canos, carros e até mesmo seus inimigos servem para aumentar a potência dos seus ataques. A combinação dessas características promove uma experiência inovadora para esse gênero de games, extremamente interativa.

Interaja com elementos dos cenários.

Como mencionado, neste jogo você escolhe o lado que deseja defender: o bem ou o mal. Durante a criação do personagem, o jogador tem diversas opções para combinar tipos de movimentos e poderes especiais, possibilitando que o seu personagem tenha características únicas.

Para tornar o DC Universe Online Free to Play ainda mais fiel aos quadrinhos e desenhos, as narrativas do game foram escritas por Geoff Johns e Marv Wolfman, autores consagrados da DC Comics. Os cenários do jogo retratam locais nos quais aconteceram confrontos épicos. Entre eles, estão Metropolis, Gotham City, Arkham Asylum e a torre da Liga da Justiça.

Com tudo isso, a expectativa é que o gamer tenha a real sensação de que está lutando ao lado ou contra os principais personagens da marca – como Batman, Superman, Coringa, Mulher-Maravilha, Lanterna Verde, Flash, Lex Luthor, Duas Caras, entre muitos outros.

Crie o seu herói.

Movimentos

Supervelocidade

A supervelocidade é um movimento especial que permite ao personagem percorrer grandes distâncias em pouquíssimo tempo. Atravessar qualquer cidade é moleza para quem corre mais que o vento. A aceleração alcançada pelos heróis ou vilões dotados dessa habilidade é tão alta que eles podem escalar edifícios, muros ou qualquer obstáculo com muita facilidade.

Quando a pancadaria rola solta, utilizando sua rapidez fora do comum os personagens supervelozes podem se aproximar dos combates, desviar de golpes e surpreender os adversários em um piscar de olhos. Eles ainda podem usar sua velocidade para gerar redemoinhos mortais.

Veloz como o vento.

Acrobacias

Os acrobatas são especialistas em ataques aéreos e capazes de se agarrar em inúmeros tipos de superfície. Dessa forma, escalar qualquer barreira para esse tipo de personagem é como se fosse brincadeira de criança. A agilidade dos seus movimentos no ar e entre edifícios é uma ótima forma de ludibriar os inimigos.

Apesar de não voarem, os heróis e vilões com habilidades acrobáticas são capazes de planar pelos céus das cidades, espaço em que podem usar os prédios e pontes para saltar distâncias consideráveis.

Batman, o mestre das acrobacias.

Voo

Não há lugar que os personagens voadores não atinjam. Sobrevoando construções, paisagens naturais e veículos de grande porte, quem sabe voar encontra o que deseja sem esforço. Além disso, a união da força da gravidade à velocidade de voo potencializa os golpes de forma estrondosa.

Qualquer objeto pode virar um projétil devastador nas mãos dos mocinhos e bandidos que dominam essa capacidade. Os seres que conseguem voar têm ótimas oportunidades de atacar seus oponentes sem que eles percebam, o que é uma vantagem em batalhas equilibradas.

Domine as lutas no céu e na terra.

Poderes

Fogo

Os personagens que adotam o Fogo como seu poder, geralmente, gostam de formar a linha de frente dos confrontos. Esse tipo de guerreiro adora chegar a uma batalha detonando os adversários.

Por outro lado, essa exposição acaba tornando-os muito vulneráveis para emboscadas e armadilhas. Contudo, seus poderes são capazes de derreter inimigos com muita facilidade. Como defesa, os combatentes de Fogo podem gerar um círculo de chamas a sua volta.

Gelo

Dominar temperaturas abaixo de zero pode ser interessante em momentos de dificuldade. Congelando os oponentes, os personagens de Gelo ganham tempo para decidir o que fazer. A capacidade de criar armaduras gélidas é uma eficiente forma de proteção.

Além disso, esse poder dá ao jogador a possibilidade de gerar ventos gelados para afastar ou aproximar um inimigo – tudo depende da sua estratégia na batalha.

A trama é envolvete e instigante.

Mental

Ter poderes mentais permite ao guerreiro que ele controle a matéria. Usando suas habilidades únicas, o personagem é capaz de mover objetos para se defender ou promover danos nos oponentes. Outra habilidade muito útil é a criação de ilusões, as quais podem confundir completamente um ataque adversário.

Todavia, a capacidade que diferencia os combatentes com o poder Mental é a geração de campos de força, evitando que a sua integridade física e a de seus aliados seja transgredida.

Natureza

Para escolher o poder da Natureza, o combatente precisa estar em sintonia com plantas e animais. Tal harmonia é fundamental durante as batalhas, pois você recorrerá a esses elementos. Por exemplo, o personagem pode usar raízes para prender adversários e esmagá-los.

Quando o confronto apresentar situações adversas, o guerreiro pode liberar seus instintos animais para potencializar sua força e velocidade. Assim, você pode mudar sua forma e sentir a ira de um gorila, a astúcia e selvageria de um lobo ou a mente de um inseto.

Gráficos de alta qualidade.

Feitiçaria

Personagens que empunham as forças invisíveis do universo detêm o poder da vida e da morte em suas mãos. Esse tipo de combatente é ideal para prestar apoio aos colegas enquanto a pancadaria rola solta, recuperando a vitalidade dos feridos e impedindo a ação maliciosa de outros feiticeiros.

Quem domina a magia conta com um animal de estimação, que também pode ajudar nos conflitos. Controlando a Feitiçaria, você pode criar karmas bons e maus, podendo alterar o curso de uma guerra.

Dispositivos

A tecnologia também faz parte dos confrontos. Quem decidir lutar com o auxílio dos Dispositivos terá um arsenal de armas, gadgets e truques para liquidar quem estiver no seu caminho.

Mantenha sua mira em dia.

Esse tipo de personagem é astuto e estrategista. Ele nunca dá um passo sem antes analisar todas as alternativas e suas respectivas consequências. Em seu repertório, existe uma infinidade de armadilhas, as quais abrem brechas para que você e sua equipe alcancem a vitória. Mesmo os truques mais furtivos podem causar danos devastadores.

Interagindo com jogadores do PS3

O DC Universe Online Free to Play é um dos únicos games que conseguiu implementar de forma satisfatória o conceito de interplataforma. Mas o que isso significa? Por meio dessa estrutura de desenvolvimento, diferentes plataformas usam o mesmo espaço para imergir seus usuários.

Assim, você pode jogar no PC e interagir com outros gamers que usam o PlayStation 3 para acessar os cenários do jogo. Devido a isso, a jogabilidade para ambos os sistemas foi simplificada. Dessa forma, os menus, comandos e atalhos são bem reduzidos e a mecânica do game é mais fluída.

A pancadaria vai rolar solta!

Tipos de servidores

Ao iniciar o DC Universe Online Free to Play, é apresentada uma tela para que você escolha um tipo de servidor para começar sua empreitada. As opções disponíveis são PvP e PvE. O primeiro modo coloca o seu personagem em meio aos de outros gamers, ou seja, os mapas são compartilhados entre diversos usuários.

Por outro lado, os servidores PvE permitem que o jogador explore os cenários isoladamente. Com isso, você não corre o risco de levar um ataque repentinamente. Essa modalidade é indicada para quem deseja se familiarizar com os comandos e mecânica do game.

Fonte: http://www.baixaki.com.br/

Leia mais em: http://www.baixaki.com.br/download/dc-universe-online.htm#ixzz1dgP1gFIs

Austrália libera placas de trânsito com Super-heróis!

novembro 10, 2011

Ok. Eu entendo que “nerds” tenham virado uma moda. Mas isso já é meio ridículo. O governo Australiano disponibilizou placas de identificação de automóveis com o design exclusivo com personagens da DC Comics. Agora Super-homem, Batman, Mulher Maravilha, Flash e Lanterna Verde podem enfeitar e identificar seu carro, caso você seja cidadão australiano.

Imagino se os policiais, ao reportarem algum crime de trâsito, comuniquem “veículo placa icu 2020 do Flash se encaminhando para avenida Whatever” hehehe. Como bem colocado na matéria de Andy Khouri para o site Comics Alliance, as placas da DC demonstram o longo caminho que o visual “novo 52” dos personagens terá que percorrer para atingirem o estatus icônico que os uniformes originais têm. As artes das placas são retiradas do guia de personagens da editora que foi publicado em 1982 e servia de base para informar os artistas da casa quanto a melhor maneira de retratar seus super-heróis. Este guia é tão icônico que os responsáveis pelas artes, 0s mestres José Luis Garcia Lopez e Dick Giordano, estarão ainda por muitas décadas ligados a derradeira visualização destes personagens no imaginário popular.

Confiram as placas abaixo, mas antes, algumas páginas no belo guia de personagens de 1982:

 

Quentinhas do reino dos Quadrinhos!

setembro 29, 2011

– A galeria Warhol abre uma exposição de originais de Alex Ross: É inegavel a importância do trabalho de Alex Ross para os quadrinhos em geral e os de super-heróis em específico. E é fácil imaginar que sua arte pode ser apreciada tanto como narrativa gráfica quanto separadamente em seu tamanho natural e preservando todas as qualidades clássicas da pintura. A galeria Warhol, em Pitsburgh nos EUA está, dentro da mostra Heroes & Villains, abrindo uma temporada com artes originais e sketches do artista de Reino do Amanhã e Marvels. Vale lembrar que Andy Warhol foi o pai da Pop Art norte-americana e que, junto com seu contemporâneo Roy Lichtenstein, trouxe a cultura de massa para dentro das galerias. Irônico não?

– O selo Comics Code agora é controlado pela CBLDF: E a ironia continua… Já mostramos muito aqui no nosso site desenhos exclusívos que são produzidos para campanhas que visam gerar fundos para o Fundo de Defesa Legal dos Quadrinhos nos EUA, fundo que visa custear embates legais que garantem a liberdade de imprensa para os artistas de quadrinhos. Agora esse fundo, CBLDF em inglês, é o responsável pelo uso do selo Comics Code, selo criado nos anos 50 durante a perseguição do macartismo nos EUA e que caiu em desuso no começo do século XXI. Agora, isso é ironico. O fundo irá usar o selo, que agora adiquire um ar vintage, em produtos de merchandising.

-Procurando entrar no mundo da Ficção Científica? Use esse divertido guia: Esse ano foi elaborado uma lista feita por votação popular dos melhores livros de ficção científica e fantasia publicado nos EUA. Toda lista tem seus defeitos, mas considerando a pouca quantidade de material bom publicado no Brasil, essa lista pode ser uma boa oportunidade de conhecer autores novos. Mas por onde começar? Este mapa abaixo vai te ajudar:

– DC terá material digital exclusivo para o Kindle Fire: A guerra do quadrinho digital está começando. A Amazon está lançando o Kindle Fire, seu tablit  de última geração que concorre diretamente com o I Pad. Agora a DC Comics, que já causou furor ao anunciar que suas revistas serão lançadas digitalmente no mesmo dia da publicação em papel, agora anunciou que está disponibilizando 100 de suas mais vendidas e famosas Graphic Novels a venda exclusivamente para usuarios de Kindle Fire. São títulos como Watchmen, Sandman, Superman All Stars. Se está se decidindo entre qual tablit comprar, talvez este notícia ajude na escolha.

– Conheça a capa de Steve Lightle para Legião dos Super-Heróis e Jornada nas Estrelas: E finalizamos com a capa de Steve Lightle, veterano artista da Legião dos Super-heróis, para a aguardada mini-série  Legion of Super-Heroes & Star Trek:

A nova Liga da Justiça foi a revista mais vendida das Américas em setembro!! Hummm, acho que não…

setembro 15, 2011

Antes de começar este post, quero aproveitar para esclarecer que apesar do blog ser da Kingdom Comics, que é uma das mais duradouras lojas de quadrinhos do Brasil e que de fato o utilizamos para promover produtos, nosso blog também é um espaço para discussão e opinião, duas atividades que são imprescindíveis nestes dias de transição em que a sociedade no geral, e o mercado de quadrinhos específica e especialmente, estão passando. Este post é mais um em que expresso minha opinião – eu, Lima Neto, sócio/editor/escritor/diagramador – que, necessariamente, não está atrelado às razões comerciais da loja. Ou seja, se você não gostou da minha opinião, está livre para discuti-la e debatê-la em nosso espaço para comentários, mas ela não expressa exatamente a opinião da King dom Comics.

Esclarecidos então, podemos começar.

Como muitos de vocês leitores já sabem, a DC comics – casa de personagens como Super-homem, Batman e Mulher Maravilha –  está passando por uma reformulação total. Esse reboot estreou neste mês de setembro com o lançamento da nova revista Justice League que conta com os roteiros de Geoff Johns e a arte do ultra popular Jim Lee e foi alardeado pela editora como sendo a HQ que mais vendeu no continente Americano!

Bom existem controvérsias, e muitas.

O site britânico especializado em quadrinhos, Bleeding Cool, é um dos melhores sites sobre histórias em quadrinhos por ter uma opinião sólida (assim como seu site parceiro – Comics Alliance) e uma amplitude de visão que se esforça para ser global e multicultural. Por isso mesmo é um dos sites que uso de fonte paras as notícias em nosso blog. Nesta terça-feira, dia 13 de setembro, o jornalista do Bleeding Cool, Rich Johnston, publicou uma matéria interessantíssima com o seguinte título: “This is What a Half-Million American Comic Book Looks Like“. A matéria critica a informação veiculada pela DC Comics de que o título “Justice League” foi a revista em quadrinhos mais vendida das Américas, uma informação que realmente gera muitas dúvidas quanto a sua veracidade. Será que a DC fez sua pesquisa direito? Existe a clara possibilidade de que ela tenha confundido América com América do Norte, ou melhor, com os Estados Unidos da América?

"Por dentro dos números:Liga da Justiça #1 é oficialmente o quadrinho mais vendido de 2011"

Em todo caso, o jornalista fez sua pesquisa.

O que ele descobriu é que, dentro do continente americano, o gibi que mais vendeu foi este aqui ó:

De acordo com Johnston, a edição #34 da Turma da Mônica Jovem (ou Teen´s Monica Gang como ele diz) vendeu 500.000 edições! Sendo que isto só ocorreu por que esta edição mostra o beijo da Mônica com o Cebola (quase escrevi Cebolinha, mas prefiro separar os personagens) o que fez o título vender 100 mil edições a mais do que as comuns 400 MIL edições mensais que vende.

Eu cito esta matéria não por ufanismo, já que a falta de uma fonte de onde o jornalista extraiu esta informação acaba tirando um pouco da sua credibilidade, mas para demonstrar o tamanho do buraco em que as principais editoras de quadrinhos nos EUA estão enfiados e como elas estão absolutamente despreparadas para lidar com ele.

Você não está vendo? Deixa eu te ajudar.

O mercado de quadrinhos americano, como vocês leitores devem saber, tem duas grandes editoras no comando: Marvel e DC. Estas editoras já viram dias em que seus títulos vendiam centenas de milhares de edições por mês, mas estes dias já se foram há alguns anos e hoje o fato de um título vender 200.000 exemplares, mesmo que essa informação não passe de marketing, é motivo para festa. Mas como elas conseguem se manter hoje em dia em face de imensa e contínua queda de vendas? Essa é fácil! Assim como os quadrinhos, outra indústria de entretenimento que nunca sonhou em amargar tamanha impopularidade é a indústria cinematográfica de Hollywood. Para sobreviver, o cinemão norte-americano teve que absorver qualquer coisa que estivesse a sua volta passível de  lucro nas bilheterias, e a bola da vez até o momento são os filmes blockbusters adaptando os super-heróis mais conhecidos do universo pop, que não por acaso, são editados pelas editoras DC e Marvel. A DC  já tinha costas quentes com o dinheiro da mega-corporação midiática Warner a sustentando, mas o jogo só esquentou quando a Disney comprou a Marvel comics já de olho no lucro que os Estúdios Marvel já estavam  gerando.

O problema com estes apadrinhamentos são dois: O primeiro é que a produção da editora passa a obedecer a parâmetros estabelecidos pelos estúdios, já que os mesmos têm que garantir que o produto que estão vendendo nos cinemas seja o mesmo que é produzido nos quadrinhos e, também, criar novos produtos passivos de exploração para o cinema que estarão sob controle absoluto dessas corporações. Nesse ponto nós podemos facilmente encaixar este reboot da DC Comics e sua legião de Super-heróis de gola rolê e que se mostra, apesar dos esforços em promover uma inclusão social que eu particularmente considero estratégica, aparentemente sem alma. Lógico, sou o primeior a admitir que estou falando de algo que não li. Mas algumas imagens que vem sendo divulgadas na net têm me feito torcer o nariz para além da minha capacidade física para tanto. Como, por exemplo, a nova Amanda Waller do novo universo DC:

Como vocês podem ver, aparentemente os gordos não são mais bem vindos no universo da editora. Embora isso nada tenha a ver com o dinheiro dos leitores mais gordinhos. A personagem Amanda Waller sempre foi uma das mais impressionantes do universo DC. Uma personagem mulher, negra, com excesso de peso e que simplesmente comandava e manipulava dezenas de super-deuses. Precisa mesmo dizer mais? No entanto, para o padrão de beleza hollywoodiano, para fazer tudo isso ela provavelmente só pode ser bulímica e sensual.

O segundo ponto em que as associações entre as editoras de quadrinhos e os estúdios de cinema podem ser problemáticos é que a única estrutura em que estas editoras se seguram, frente ao abismo aberto pelo atraso nas suas maneiras de pensar e produzir quadrinhos para um mercado, é o dinheiro investido nelas pelos estúdios. Mas considerando os humores do mercado, este dinheiro só continuará fluindo enquanto estes personagens estiverem rendendo nos cinemas, ao passo que quando estas boas performances cessarem, os estúdios milionários não pensarão duas vezes antes de descartar estas editoras – agora dependentes de dinheiro externo e esgotadas criativamente. É esse o buraco que havia comentado antes.

Mas porque estou falando tudo isso? Por que estamos passando por um momento de mudança de mercado em que as editoras que tinham o domínio do mercado se vêem obrigadas a se adaptarem  radicalmente caso queiram sobreviver. A história em quadrinhos, como mídia, não está ameaçada. O que quer dizer que a queda destas grandes editoras simboliza algo ainda mais importante do que tudo que eu disse antes, significa que um espaço enorme do mercado estará livre para quem estiver preparado para assumir o vácuo que elas poderão gerar. E considerando que grande parte do mercado brasileiro de quadrinhos vem das editoras Marvel e DC, um espaço enorme também se abrirá no Brasil. Espaço que pode ser preenchido por material de qualidade onde artistas e escritores poderão encontrar um meio de subsistência em sua terra natal, ao invés de importar seus talentos para ajudar empresas internacionais a superar sua crise.

Finalizando, preciso afirmar nestas últimas linhas meu apreço enorme pelo gênero Super-herói – nascido nas histórias em quadrinhos e possuidor de características especiais que não existem em nenhum outro gênero – e dentro deste gênero, os super-heróis da Editora DC têm um lugar muito especial em meu coração, do Super-homem ao Red Bee. No entanto, enquanto as grandes corporações exploram sem dó personagens tão caros para todos, extraindo a criatividade que fazem estes super seres funcionarem, se abre um espaço para o novo, para novos criadores que podem e devem aproveitar o momento de renovação das HQs para criar histórias e personagens que você queira ver impresso. Entre a Era de Ouro dos quadrinhos de SH e a Era de Prata, estes personagens quase caíram no esquecimento, para retornar então renovados e com o frescor dos novos tempos. Talvez agora seja um novo momento para este gênero se renovar mais uma vez.

Veja o preview da nova Action Comics de Grant Morrison!

setembro 2, 2011

Estamos em setembro e o  novo universo DC já nasceu na forma da Liga da Justiça de Geoff Johns e Jim Lee.

Polêmicas e previsões a parte, o fato é que um dos títulos mais esperados desse reboot é a Action Comics escrita pelo laureado Grant Morrison e com a belíssima arte de Rags Morales.

A revista irá contar os primeiros dias desse novo Super-homem que, de acordo com Morrison em seu livro Supergods, ainda é um herói do povo, quase que um comunista. No mínimo curiso.

Confira abaixo o preview:

Balanço geral da DC! As últimas novidades da editora!

julho 14, 2011

A editora DC Comics conseguiu foco das atenções nas últimas semanas com seu polêmico relançamento e as questionáveis deicisões editoriais que só serão postos a prova em setembro.

Mas muita coisa está acontecendo até lá, e estamos as vésperas da San Diego Comic Con, então vamos a um apanhadão com as últimas derrapadas novidades da editora!

Uma das novidades envolvendo a Comic con é a divulgação da capa do preview impresso da editora que vai ser distribuido na convenção, que além de trazer 6 páginas da nova Liga da Justiça de Geoff Johns e Jim Lee, traz na capa mais uma polêmica: Uma revisão da capa do novo título da Mulher Maravilha, escrita por Brian Azzarello com arte de Cliff Chiang,  que traz uma princesa das amazonas com o seu tradicional maiô de estrelas ao invés da calça colada que apareceu em imagens anteriores. Não se sabe se essa é uma versão oficial do novo uniforme, ou uma maneira de mostrar aos desavisados que se trata da mesma personagem que conhecem já há mais de 70 anos.


A má aceitação da calça do furado episódio piloto da personagem que teve uma péssima recepção não deixa de ser uma forte hipótese…

Confiram abaixo a capa que traz ainda um gigantesco spoiler para os fãs de Lanterna Verde!

Confira abaixo também, a capa da edição número 2 de Batman por Greg Capullo!

DC censura última edição do arco pé-frio Grounded!

junho 22, 2011

E não costumo a usar o termo comics, geralmente é um termo usado pejorativamente quando um fã de mangá quer dizer o quanto os quadrinhos americanos são ruins em relação aos japoneses. Mas eu vou usar o termo, dentro do seu recorte específico que os otakus usam –  quadrinho norte-americano de super-herói –  para expressar minha frustração:

Porra Comics!!

Vamos resumir as notícias de hoje pra termos uma idéia do por quê do palavrão: -Hoje vemos o novo trabalho do Frank Miller, um inspirado escritor/desenhista que passa o crepúsculo de sua carreira desenhando propaganda fascista reacionária.

-A nova revista de Mark Millar, escritor que, antes era uma lufada de ar fresco nos quadrinhos mainstream, agora é um fedor boloroso de notas de dolar mofadas trabalhando direto para a caduca industria de cinema de Hollywood.

Agora temos mais uma notícia revoltante que é um resultado direto do contrele que as mega-corporações estão exercendo nas duas principais editoras de quadrinhos dos EUA: A DC resolveu censurar, quase na saída da gráfica, o último capitulo do aparentemente amaldiçoado arco “Grounded” da revista Superman. Uma história que começou com o escritor J. Michael Strazinsky mostrando um Homem de Aço boçal caminhando pela América e que, com a saída do escritor, se mostra um arco difícil de terminar por mexer com assuntos espinhosos do atual Estados Unidos da América.

Para finalizar o arco famigerado, o escritor Chris Roberson resolveu apresentar na edição 712 de Superman uma história com o super-herói de origem islâmica Sharif, uma nova identidade para o personagem criado por Willian Messner-Loebe e Curt Swan em 1990 chamado Davood Nassur ou Simbad em sua identidade heróica, um imigrante islâmico do fictício país de Qurac.

Na edição, Sharif, agora adulto, tem que se virar para salvar uma cidade que prefere não ser salva por ele colocando Super-homem para lidar com mais um intragavel dilema da  “perfeita” sociedade americana: A generalização e o preconceito contra os cidadãos seguidores do alcorão. Esse preconceito é um problema tão polêmico que a editora resolveu não publicar mais a edição, alegando que a história não “funcionou” dentro do arco Grounded… Hã?

A decisão foi tomada momentos antes da revista seguir para a impressão, depois do roteiro ter sido aprovado, desenhado, arte-finalizado e colorido, tudo sob a supervisão do editor. No lugar foi colocado a história “Lost Boy: A Tale of Kripto the Superdog”. O cancelamento foi tão em cima da hora que a editora nem teve tempo de trocar a descrição do título no seu site:

 

Recentemente nós cobrimos o reboot do universo DC, e o que poderia ser uma porta para novidades, para experimentações e exploração das possibilidades do gênero super-herói, se tornou uma recalcada e equivocada volta aos anos 90 com criadores insípdos e artistas engessados. Essa estratégia de marketing da editora sugere que, ao limitar a liberdade de criação e de temas, os empresários da Warner tem o objetivo de guiar a editora para garantir suas cotas de enriquecimento atravéz da exploração de seus personagens como material para seus filmes multimilionários.

A decisão de Super-homem de abandonar a cidadania americana foi o estopim para uma série de protestos contra o herói que passaram a chama-lo de terrorista anti-americano. Essa imagem com certeza não iria melhorar quando ele tivesse que contracenar com seu “side kick terrorista”, como foi chamado o personagem da edição censurada. E um personagem com esse tipo de reputação não é lucrativo o suficiente para investir milhões em um filme.

Grant Morrison, tenho um aviso pra você:  “Tente não trabalhar para pessoas estúpidas ou logo se tornará uma delas.” John C Jay

Um aviso pra Marvel: Cuidado!

Para a DC só me resta vê-la definhar.

Um agradecimento especial ao site ComicsAlliance onde você pode ver a matéria que inspirou este texto  escrita por Chris Simm.

Lima

Confirmado! Tudo vai mudar no Universo DC pós-Flashpoint!

maio 31, 2011

Finalmente a DC confirmou seus planos para setembro!

Como já havíamos comentado me nosso blog, a DC havia levantado um grande mistério em cima de como seria o estatus do universo DC pós Flashpoint. Algumas palavras foram jogadas no mercado e até o momento não foram confirmadas, como “Dark” e “Edge”, e houveram rumores de um projeto secreto com a Liga da Justiça.

Hoje a editora anunciou que todos, TODOS, os títulos da DC serão lançados em Setembro com um grande Numero 1 na capa, sendo um recomeço para todas as séries. Não há data para esse número retornar aos originais.

A outra notícia, e a mais bombástica, é o lançamento do novo título da Liga da Justiça com histórias escritas por Geoff Johns e com arte de Jim Lee! De acordo com o site Bleeding Cool, esta revista está sendo planejada a muito tempo, e Jim Lee já vem desenhando a revista desde o ano passado!

O número um será lançado já no dia 31 de Agosto, sendo apenas a única revista da DC, fora o último número de Flashpoint, a saír nesta semana.

Pelo preview da arte acima, dá para ver que existe algo diferente nos personagens, o que é, só veremos no futuro!

Outra revista que já está anunciada é a nova Adventure Comics, que contará as histórias de Deadman, embora sem saber ainda se ele está morto, vivo, morto-vivo ou lanterna branco. Tudo que se sabe até agora é que o nome do artista Ryan Sook está envolvido no projeto.